11/12/2012

Resenha - O Reino


Nome: O Reino
No Original: The Kingdom
Autor (a): Clive Cussler & Grant Blackwood
Páginas: 336
Editora: Novo Conceito
Comprar: Submarino - Siciliano - Saraiva - Cultura
Sinopse: Em Spartan Gold e Lost Empire, Clive Cussler levou os leitores ao mundo do time do casal Sam e Remi Fargo, em que suas paixões e instinto para caçar tesouros trouxeram descobertas extraordinárias e jornadas perigosas. A próxima aventura do casal, no entanto, pode ser mais ainda aterrorizante. Os Fargos são especialistas em caçar tesouros e não pessoas. Mas, então, um barão do petróleo de Texas os procura com uma pedido pessoal: um investigador amigo dos Faros estava em uma missão para procurar o pai do barão, porém, agora ele também está sumido. Sam e Remi seriam capazes de procurar pelos dois? Apesar de não ter adicionado muita informação sobre o caso, Fargos concorda em começar a procura. O que eles encontrarem irá além do que eles imaginaram. Em uma viagem que os irá levar a Tibet, Nepal, Bulgária, Índia e China, os Fargos serão envolvidos com um mercado negro de fósseis, um baú centenário e o ancião do Reino Tibetano de Mustang, um dirigível do século anterior...

Desde que a Novo Conceito anunciou o lançamento deste livro sabia que ele não era o primeiro da trilogia e nem continuação do outro livro do autor lançado esse ano pela editora. "O Reino" é o terceiro da série "As Aventuras dos Fargo". Não sei se isso vai incomodar o leitor no geral, mas eu sempre acho estranho começar uma série assim, mesmo a história sendo bastante fechada. Clive Cussler narra a história de Remi e Sam Fargo, que durante todo o tempo me lembraram de uma versão mais leve de Indiana Jones.

Sam e Remi Fargo estavam chegando para mais um dia de escavação quando fora convidados para um encontro misterioso com Sr. King, um rico empresário do ramo petrolífero. King quer que os Fargo largue tudo para ir à busca de Frank Alton. Um detetive particular contratado por King e amigo dos Fargo. Estava atrás de pistas do pai de King, desaparecido há quase trinta anos. Sam e Remi relutam, mas não podem deixar o amigo em uma situação dessas. A única coisa que King diz é que Frank estava no Tibete quando desapareceu. Ao chegarem ao país eles já notam o estranho comportamento dos gêmeos Russell e Marjorie, filhos de King. Eles precisam descobrir o que King está escondendo para descobrir onde procurar Frank. Qual o interesse de King naquela região? O que o pai de King estava caçando quando desapareceu? Recolhendo pistas suspeitas na cabana do pai de King e contando com uma extensa pesquisa e ajuda de amigos os dois são tragados por uma busca pelo submundo do mercado negro de artefatos históricos e mergulharão nas lendas em torno da figura do Theurang.

A narrativa possui um ritmo forte, que mescla ação, aventura e pequenas pausas de fôlego onde entram explicações e fatos históricos. Uma característica bastante curiosa e que pode ser apenas coincidência é que logo nos primeiros capítulos surgem detalhes, pequenos contornos, que permite distinguir entre um autor e outro. Posso estar enganada, mas a maior parte descritiva, que vai de termos técnicos, tecnologias utilizadas por arqueólogos, curiosidades e fatos históricos passando por grande parte dos diálogos onde os personagens analisavam pistas e discutiam pesquisas foram escritas, pertence à Blackwood. Mesmo para aqueles que não conhecem Cussler essa diferença fica nítida. O estilo narrativo dos dois é consideravelmente diferente. Ao final é possível perceber que são muitas voltas e informações desnecessárias. E se você separa essas partes a narração se torna muito mais ágil.

O que realmente incomodou no livro foram algumas atitudes que não condizem com a descrição que recebemos dos protagonistas. Sam e Remi são arqueólogos, antropologistas, com senso histórico além de caçadores de tesouros e relíquias. Contudo tiveram coragem de usar a madeira de um artefato antiguíssimo para fazer uma fogueira sem nem um minuto de relutância. Além de usar fósseis de valor inestimável para fazer balas improvisadas. Sam e Remi funcionam bem como casal apesar de eu ter preferido Remi. O principal problema que tive com Sam é a necessidade de parecer corajoso, de ser o cara que quando estava correndo perigo de vida enfrentando um oponente muito mais perigoso e astuto que ele próprio. Essa falta de sensatez irrita porque ele quase coloca tudo a perder, inclusive a segurança não só dele como de Remi. 

O final satisfaz de maneira geral, mesmo os capítulos finais confirmando minha opinião que o prólogo tira metade do brilho da trama e do prazer das descobertas a cada página. É uma leitura que alterna momentos. Hora rápida hora arrastada. Cussler e Blackwood investem em uma área fértil, que rende aventura e ação independente de todo o resto. A edição da Novo Conceito está ótima. Fonte agradável e capa muito bem elaborada. Ficaria perfeito se a editora lançasse as séries completas. Recomendado a todos que gosta de ação, mistério, tensão e principalmente para os fãs do estilo Indiana Jones. De fugas arriscadas a explosões. Leiam! Até mais!

As Aventuras dos Fargo - Clive Cussler & Grant Blackwood
1- Spartan Gold
2- Lost Empire
3- O Reino
4- The Tombs

15 comentários:

  1. Eu li o outro livro (O Espião) achando que seria bem interessante e envolvente, mas a leitura foi cansativa e, assim como vc disse neste, com detalhes desnecessários. Muitos detalhes cansativos. Não curti a leitura, mas fui até o final. Mas não pretendo ler mais do autor :/

    abraços!

    ResponderExcluir
  2. Não gosto quando eu fico conhecendo uma série na metade. parece ser uma boa história, e a capa é tão linda!

    ResponderExcluir
  3. Eu não entendo o porque a Novo Conceito não lança as séries desse autor por completo.. Eu ainda não li nenhum dos dois livros dele, mas eu acho que ficaria muito mais fácil e divertida a leitura se a série fosse publicada por completo.. Acho as capas dos livros muito lindas, mais depois de tantas resenhas negativas eu até desanimei de lê-los! :/
    Mas, como eu já li em outras resenhas, você também fala que o final compensa.. Vou pensar em ler algum dos livros do autor. Eu tenho "O Reino", mas eu tenho muita preguiça pelo livro ser grosso e por eu já saber que não é uma leitura tão agradável.. Eu acho que vou ler "O Reino", que é mais fino, para ver se o autor vale a pena!
    Mas o que compensa tudo são os Kits da Novo Conceito! I Love It!!

    ResponderExcluir
  4. Eu já tinha visto esse livro em algum lugar mas não me lembro onde, apesar de gostar muito de livros de aventura estilo Indiana Jones como você mesma disse, porque realmente esse livro lembra mesmo quando se lê a sinopse eu fiquei com raiva de um pequeno detalhe como podem arqueologistas queimar madeira antiga ou usar fosseis como bala, parece ridículo alguém dar esse motivo pra ficar decepcionada com o livro, mas pra mim que gosto muito de história antiga isso é fim de carreira pra qualquer historiador.
    Mesmo assim a história me pareceu muito boa, mas não é um livro que eu vá ler por agora.

    ResponderExcluir
  5. Não faz meu tipo, mas gostei da sinceridade de sua resenha. Acho muito estranho livros escritos por duas pessoas, mas tenho curiosidade para ver se consigo distinguir. Essas histórias tipo Indiana Jones sempre são cheias de aventura, quem sabe um dia eu confiro. :) Adorei a resenha.

    ResponderExcluir
  6. Não gostei muito do livro. Já não tinha me empolgado e agora menos ainda.

    Não gosto de livros lançados "soltos". Mesmo que as histórias sejam independentes, prefiro ler as séries em sequência.

    Thais Vianna
    @dathais

    ResponderExcluir
  7. Sinceramente a unica coisa que em chamou atenção no lviro foi a capa (que é linda"), mas o enredo nao me prendeu tanto assim não.

    ResponderExcluir
  8. Nossa, que engraçado, eu queria comprar esse livro, mas não sabia que ele já era o 3º de uma série. Bem, você recomendou, mas só deu 3 estrelas. Fiquei meio em dúvida agora. Foi só pelo fato deles terem queimado a madeira e o Sam ser imprudente?

    ResponderExcluir
  9. Quando eles lançaram achei que era da mesma série de O Espião, é o mesmo estilo de capa e tudo!!
    Dei uma pesquisada e vi que esses livros do Clive Cussler são bem atuais, mas acho que os temas espionagem e caçadores de tesouros me parecem tão coisa do século passado...
    Eu tenho O Espião, mas não li ainda, meio que perdi a coragem por causa do detalhes técnicos demais, que tornam a leitura lenta, e pelo visto esse livro também. Acho que é um erro também um livro escrito a quatro mãos o leitor conseguir distinguir quem escreveu o quê. O livro deveria ser uma coisa só...

    ResponderExcluir
  10. Eu to bem curiosa em relação a esse livro, mas confesso que andei lendo umas resenhas que não são nada animadoras. ;/ Mas lerei mesmo assim, kkkk
    beijos

    ResponderExcluir
  11. Eu ainda não li esse livro mas desejo muito ler. Já li inúmeras resenhas e comentários, alguns elogiando e muitos criticando. Cheguei a conclusão que eu mesma tenho que ler o livro e verificar por mim mesma se é bom ou ruim. Gostei da resenha.

    ResponderExcluir
  12. Ainda não li os outros livros da série, mas to muito curiosa, porque amo ação, aventura, mistério, são meus estilos favoritos de leitura, e pelo que vi na resenha vou gostar muito do livro. Adoro essa coisa, meio de relíquias históricas, são bem legais e um tema que eu acho super interessante.

    ResponderExcluir
  13. rsrs também me incomoda muito esse tipo de coisa, como assim saber do valor histórico e ainda assim fazer fogueira????
    Ótima resenha!!
    Abç

    ResponderExcluir
  14. Já vi muitas vezes esse livro resenhado, ou é algum dessa série, pois acho as capas todas parecidas XD Não gosto muito desta série, mas pela sua resenha vi algumas coisas que chamaram minha atenção positivamente.. :D

    ResponderExcluir
  15. Eu gosto de Indiana Jones. Vou ver se eu o leio. Um livro com aventura é muito legal. A trama realmente parece boa.

    ResponderExcluir

Respeito é bom e eu gosto.
Não use palavras grosseiras, seja educado.
O blog é um lugar amigável, aja de acordo.