30/05/2014

Resenha - Belle Époque


Nome: Belle Époque
No Original: Belle Epoque
Autor (a): Elizabeth Ross
Tradutor (a): Jorge Ritter
Páginas: 294
Editora: Verus
Comprar: Submarino - Siciliano - Saraiva - Cultura
Sinopse: Quando Maude Pichon foge de casa, na provinciana Bretanha, e vai para Paris, seus sonhos românticos evaporam tão rápido quanto suas economias. Desesperada para arrumar um emprego, ela responde a um estranho anúncio de jornal — a Agência Durandeau está em busca de jovens pouco atraentes a fim de fornecer a suas clientes um serviço singular: uma moça sem graça contratada para acompanhar as damas da sociedade e fazê-las parecer mais belas. A condessa Dubern precisa de uma acompanhante para Isabelle, sua voluntariosa filha, e Maude é considerada o adorno perfeito para tornar a moça mais bonita. Isabelle nem desconfia de que sua nova “amiga” foi contratada pela mãe, e a mera presença de Maude entre a aristocracia depende de que consiga guardar esse segredo. No entanto, quanto mais ela conhece e se afeiçoa a Isabelle — uma jovem determinada a desafiar as expectativas da sociedade e a estudar ciências na universidade —, mais sua lealdade é posta à prova. E, enquanto a farsa persistir, Maude terá muito a perder.

Como na maioria das vezes que encontro um livro de fundo histórico fiquei bastante curiosa a respeito do livro de Elizabeth Ross desde que o conheci no Goodreads. Além de misturar jovem adulto com uma paisagem histórica a história criada por Ross trazia nada menos do que os anos pós-revolução francesa, a época da construção da Torre Eiffel, um dos períodos de maiores mudanças de Paris e por isso mesmo fascinante. Sem dúvidas Elizabeth Ross entrega uma história especial de beleza, amizade e força. Conheçam Maude e sua Belle Époque.

Maude Pichon estava em Paris a pouco tempo e a cidade era bem mais cara do que imaginava. Quando fugiu da casa do pai no interior com todas as economias da loja não imaginou que se veria em tanto aperto. Por isso nem pestanejou ao ir na entrevista de emprego. O anúncio estava apagado, e já arrependida de sua decisão Maude se vê sendo analisada como um pedaço de carne por Durandeau, o dono da agência. Sem entender o que está acontecendo a realidade só chega a Maude quando ela é reunida em uma sala cheia de garotas com vestidos extravagantes e elas são descritas por sua aparência para duas damas da sociedade. A Agência Durandeau trabalha oferecendo repoussoirs para a sociedade. Mulheres feias ou sem graça para andar ao lado de grandes damas buscando destacar a beleza das clientes. Maude por ser mais jovem é a repoussoirs perfeita para Isabelle Dubern, filha da condessa que está começando a temporada de debutantes nas próximas semanas. A Condessa quer que Maude acompanhe Isabelle em todos os eventos, ressaltando as qualidades da filha diante dos pretendentes. Ela que a filha casada com o Duque o quanto antes, mas à medida que Maude conhece Isabelle e sua personalidade forte, questionadora e inteligente percebe que não poderia haver traição maior do que a dela. Como ajudar a condessa sem passar por cima da bela amizade que construiu com Isabelle? Para piorar Maude se sente péssima trabalhando como uma repoussoirs e ao conhecer Paul, um músico, Maude começa a questionar seu verdadeiro lugar e sonhos. Como ajudar Isabelle sem perder sua confiança contando a verdade? Como ajudá-la sem encarar a fúria da Condessa?

É a partir dessa premissa aparentemente simples que Elizabeth Ross construiu sua história. Por trás de uma sinopse que pode levar o leitor a pensar que a história é apenas mais um conto romântico para jovens Ross escondeu uma bela história de crescimento e força. Maude é corajosa e sua voz narrativa crível, cativando o leitor e nos fazendo torcer por ela. Como toda garota Maude tem sonhos e é consumida por dúvidas, mas o modo como a autora colocou tudo na trama foi muito maduro, e em momento algum ela pareceu uma simples garota.

O cenário também é de grande valor, seja por sua atmosfera especial ou pelas belas paisagens, Paris foi e sempre será um cenário diferente, que consegue encantar e levar o leitor de forma vívida para a história. O clima de mudança no ar era inquestionável na época onde a história se desenrola e Ross captou muito bem a atmosfera de expectativa e novidade que girava em torno da construção da Torre Eiffel e da Exposição Universal de 1889 enquanto intrincava sua trama de ilusões e casamentos arranjados na sociedade. O final foi ótimo, aliás, a fluidez da trama foi tão natural que não percebemos o passar da história e chegamos ao fim querendo mais da história de Maude, Isabelle e Paul. Ross nos cativa com seus personagens como se fossem amigos próximos.

Leitura rápida, em um ritmo delicioso, que fascina pelo cenário e cativa pelos personagens fortes. A escrita da autora consegue ser rica e precisa sem ser rebuscada conquistando assim a todos os tipos de leitores. Seria ótimo se a autora lançasse um livro ou dois de companhia, com Isabelle de protagonista enfrentando suas escolhas e Maude em sua nova fase. Melhor do que trilogia e assim poderia ter mais dessa atmosfera parisiense deliciosa acompanhada pelos três ótimos personagens. A edição da Verus está ótima, fonte agradável, capa bem adaptada e tradução fluída. Adoraria ver a história de Maude adaptada de forma fiel, tanto pelo cenário maravilhoso quanto por sua força sonhadora e caráter. Recomendado a todos que procuram uma ficção de fundo histórico deliciosa, com ótimos personagens, uma trama que flutua entre amizades, intrigas, ambição e sonhos. Além de desenvolver muito bem o ar da época e trazer pelas páginas as paixões dos personagens, seja fotografia, música, ciência ou entre eles. Leiam e se surpreendam com a força e a beleza de Belle Époque! Até mais!

17 comentários:

  1. Gostei da resenha, já estou a procura de um romance de época faz tempo, talvez eu consiga dar uma olhada nesse. Eu achei a premissa bem interessante, mas eu não gostaria de ser repoussoirs!!

    ResponderExcluir
  2. Amei!! Amo romances de época, e já me encantei com os personagens, gosto do fato da personagem ser forte e não daquelas menininhas choronas e frágeis. Gostei da sinopse, e quero saber como Maude vai sair dessa sem magoar Isabelle e sem trair a Condessa.

    ResponderExcluir
  3. A mãe da Isabelle é muito má por contratar Maude para fazer parecer que ela é feia.

    ResponderExcluir
  4. A mãe da Isabelle é muito má por contratar Maude para fazer parecer que ela é feia.

    ResponderExcluir
  5. Que história interessante, apesar de romance não estar em prioridade na minha lista de livros a serem lidos, esse despertou em mim uma grande vontade para lê-lo!

    ResponderExcluir
  6. Adorei a resenha! Adoro um bom histórico ainda mais que é diferente e é Paris, só vejo Inglaterra, Inglaterra, adorei tudo o que disse na resenha principalmente do clima do livro, parece uma história leve e fiquei muito curiosa para ler agora que sei do que se trata e que melhor não é série! Abs!

    ResponderExcluir
  7. Sua resenha me despertou interesse...
    Acho que nunca li um livro com fundo histórico e tals. Preciso dá uma chance pra esse estilo.
    Vai pro Skoob!! =D

    Abs...

    ResponderExcluir
  8. Tô de olho na capa desse livro pelos blogs e só fui parar pra ler sobre ele agora, rsrs Esse é o tipo de história que me agrada, com fundo histórico e personagens cativantes. Vai pra lista de futuras leituras.
    Parabéns pela resenha!
    http://sete-viidas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Yasmin!
    Paris no final do século XIX é uma bela época para ambientar um romance diferenciado e trazer à luz do conhecimento do leitor, como era a sociedade da época, onde os interesses falavam mais alto do que sonhos e o próprio amor.
    Imagino o dilema de Maude.
    Desejo uma semaninha cheia de luz e paz!
    cheirinhos
    Rudy
    Blog Alegria de Viver e Amar o que é Bom!
    “A vantagem de ter péssima memória é divertir-se muitas vezes com as mesmas coisas boas como se fosse a primeira vez.”(Friedrich Nietzsche)

    ResponderExcluir
  10. Sou apaixonada por retro e quando lançam livros assim eu vibro kkkk 1889? torre eifel? Adorei o que voce disse sobre o cenário, pra mim é coisa que enriquece demais a obra.

    ResponderExcluir
  11. Linda a capa para começar e só de ser em Paris já me ganhou, quem não adora livro na cidade luz? Ainda mais na época que é, perfeito! Gostei de tudo o que disse na resenha, cada detalhe só me deixou mais curiosa e interessada! Amei a resenha! Beijo para ti!

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. A capa desse livro me conquistou. Eu sei que não devemos julgar um livro pela capa e blábláblá, mas eu me encantei pela capa. Adoro essas capas que nos levam a outra época. Eu nunca tinha ouvido falar desse livro, mas através da sua resenha eu me encantei pelo enredo. No começo achei que seria mais um livro com a personagem principal cheia de mimimi, mas pelo visto ela é bem determinada e corajosa, o que me deixa bastante curiosa e interessada pela leitura, que eu espero poder fazer em breve (:

    ResponderExcluir
  14. Me interessei muito pela historia, eu gosto de livros com algo histórico neles. Pra mim isso da mãe contratar uma dama de companhia feia pra fingir ser amiga é novo, eu nunca tinha ouvido falar, mas faz todo o sentido.

    ResponderExcluir
  15. Desde que vi essa capa pela primeira vez, me apaixonei...e a medida que encontrava mais informações sobre o livro, meu desejo de tê-lo só aumentava..a sinopse nos remete a uma história maravilhosa, sem contar que Paris é tudo...adorei sua resenha,muito bem construída e é tão bom ver que a moçinha é ótima, alémd e ser um romance de época...Preciso do livro...

    bjs

    ResponderExcluir
  16. Quando se tem uma narrativa agradável, não tem pra onde correr. É sucesso na certa. Fora esse poder de narrativa, a autora se mostrou ótima criadora de personagens, não é a toa que os três principais ganharam grande destaque. Tem também a questão do cenário escolhido, né?!?! Quem não gosta de ler algo ambientado em Paris?!?!

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  17. Amei a escolha para esse histórico. Paris! *-* Esse lugar consegue sempre fazer com que tenhamos uma atenção à mais para a história.
    Ai, que delícia quando lemos tudinho sem perceber que estamos logo no final.
    Fiquei com vontade de conhecer essa história. E que capa linda, não?

    ResponderExcluir

Respeito é bom e eu gosto.
Não use palavras grosseiras, seja educado.
O blog é um lugar amigável, aja de acordo.