14/03/2014

Resenha - O Alçapão


Nome: O Alçapão
No Original: The Trap Door
Autor (a): Lisa McMann
Tradutor (a): Alexandre Boide
Páginas: 224
Editora: Seguinte
Comprar: Submarino - Siciliano - Saraiva - Cultura
Sinopse: Depois de lutarem ao lado de guerreiros medievais para corrigir mais uma Fratura, Dak, Sera e Riq retornam aos Estados Unidos e logo se envolvem em uma armadilha mortal. O ano é 1850, um pouco antes da Guerra Civil, quando o país está dividido em relação à escravidão. Nesses tempos sombrios, a Ferrovia Subterrânea é a única esperança de muitos escravos, que conseguem escapar por essa rota secreta. Mas a SQ aos poucos está tomando o controle dos trilhos, colocando a vida de muitos fugitivos em perigo e ameaçando apagar aquela ferrovia da história. Riq é forçado a se separar do grupo e encontrará dificuldades que o levarão a enfrentar seu próprio passado. Dak e Sera, por outro lado, tentam descobrir em quem podem confiar e o que precisa ser feito para consertar mais uma Fratura.

Desde que comecei a série Infinity Ring mudei minha visão da série. Ao falar de uma série que viaja pela história a cada livro para jovens imaginei que os autores explorariam em suas tramas pontos conhecidas da história mundial, mas tanto os primeiros livros exploram pontos e elementos históricas bem diferentes disso. E para minha total surpresa a autora Lisa McMann nesse terceiro volta a história da escravidão americana por volta dos anos que antecederam a Guerra Civil, entregando aos leitores uma história mais profunda, com mais sentimento e significado.

Lembrando mais uma vez que a história se passa após o episódio dois do jogo e Dak, Sera e Riq acabam de vir de Washington, 1814, onde impediram a SQ de tomar o poder após os britânicas queimarem a cidade. Chegando ao ano de 1850 os três se encontram no meio do período mais crítico da escravidão, onde qualquer negro mesmo livre podia ser sequestrado e vendido como escravo. A única esperança para eles é a Ferrovia Subterrânea, mas a SQ está ajudando os escravagistas do sul e sabotando todos os esforços dos abolicionistas do norte. A rota por Maryland, antes segura para fuga se torna uma armadilha mortal. Sera, Dak e Riq, exaustos e encharcados acabam entendendo errado as pistas, seguindo os lampiões, símbolo conhecido das casas que ajudavam escravos a fugir e acabam presos em um alçapão, de onde assistem impotentes Riq ser levado como escravo. Separados, eles precisarão decifrar de forma correta a pista, encontrar o Guardião e ainda achar um meio de se encontrarem. Enquanto Sera e Dak desvenda a fratura, Riq precisará enfrentar seu passado, ajudando outros escravos que muito provavelmente são seus ancestrais. Pela primeira vez o grupo sofrerá na pele para alcançar seus objetivos. Lutando contra a SQ e contra escravagistas frios, que farão de tudo para obter mais dinheiro e poder.

É a partir dessa premissa que a autora desenvolveu sua história e por envolver, pela primeira vez o passado de um dos protagonistas a narrativa ganhou mais profundidade. O tema escravidão é forte, e ao interligar o tema ao personagem a autora acertou, conquistando o leitor e despertando uma simpatia mais forte pela história. Foi diferente acompanhar a história pelo lado de Riq e foi muito melhor ver o personagem crescer do que apenas em briguinhas com Dak. A narrativa de McMann é mais fluida, menos entrecortada e investe mais nas impressões e sentimentos de todos os personagens, secundários ou não.

O modo como ela trabalhou o tema foi mais subjetivo e funcionou muito melhor do que se tivesse sido uma missão, com objetivo claro, do tipo junte isso, ou encontre aquilo e pronto. A fratura que eles corrigiram era mais colocar as pessoas no lugar onde elas deveriam estar do que uma luta ou missão propriamente. Adorei esse aspecto porque instigou e cativou muito mais a atenção do leitor. A autora colocou a todos no centro dos acontecimentos, as fugas, os caminhos dos escravos e os abolicionistas. O fim foi uma ótima conclusão para a história, porque foi além de encerrar a viagem dos três, mostra um vislumbre que enche a todos que se viram torcendo e cativados pela história de alegria.

Leitura rápida, que corre em um ritmo gostoso e conquista desde os primeiros capítulos. O tom da autora casou com perfeição com o tema e sua escolha para a fratura da vez foi a melhor da série até agora. A edição da Seguinte está ótima, fonte, tradução e adaptação da capa. Se a série for adaptada esse terceiro livro renderia o melhor filme. Recomendo a todos, desde crianças e pré-adolescentes que podem conhecer a história de uma forma diferente e criativa, até jovens e adultos. São histórias marcadas por curiosidades e detalhes históricos, com ação e por vezes muitas emoções. Leiam e se surpreendam! Até mais!

Infinity Ring - Vários Autores
1- Um Motim no Tempo
2- Dividir e Conquistar
3- O Alçapão
4- A Maldição dos Ancestrais
5- Cave of Wonders
6- Behind of Enemy Lines
7- The Iron Empire
8- Eternity

4 comentários:

  1. Oi! Ganhei os dois primeiros livros e ainda não li, como está lançando bem rápido vou esperar até o 4 que é a metade da série para ler. Gostei muito da resenha e gostei muito de saber que o tema desse 3 é escravidão, tenho certeza que vou gostar da série pela história. Gostei da resenha.

    Beijos, Camis.

    ResponderExcluir
  2. Já li os dois primeiros e gostei muito, adoro o tema e gosto de séries com vários autores, sempre fica diferente, adorei saber que nesse terceiro as coisas mudam entre os protagonistas, o cenário também parece mais interessante. Ansiosa para ler, preciso ler esse antes que saia o próximo. Adorei a resenha! Bjo!

    ResponderExcluir
  3. To aguardando a série fica um pouco mais completa para ler os livros, todo mundo me recomenda livros de viagem no tempo e gosto muito de séries juvenis, das outras resenhas fiquei bem curiosa por isso quero ler logo. Esse parece o melhor dos 3 lançados. Ótima resenha! Abs!

    ResponderExcluir
  4. To lendo a série e adorando, como você disse os temas históricos são mesmo melhores do que todo imagina para série infanto-juvenil, as capas são bem legais, ótima resenha, o tema desse parece melhor mesmo, quero muito ler logo tb. Bjo para ti!

    ResponderExcluir

Respeito é bom e eu gosto.
Não use palavras grosseiras, seja educado.
O blog é um lugar amigável, aja de acordo.