02/01/2014

Resenha - Adeus A Inocência


Nome: Adeus À Inocência
No Original: Little Girl Gone
Autor (a): Drusilla Campbell
Tradutor (a): Robson Falchetti Peixoto
Páginas: 272
Editora: Novo Conceito
Comprar: Submarino - Siciliano - Saraiva - Cultura
Sinopse: Madora tinha 17 anos quando Willis a “resgatou”. Distante da família e dos amigos, eles fugiram juntos e, por cinco anos, viveram sozinhos, em quase total isolamento, no meio do deserto da Califórnia. Até que ele sequestrou e aprisionou uma adolescente, não muito diferente do que Madora mesmo era, há alguns anos... Então, quando todas as crenças e esperanças de Madora pareciam sem sentido — e o pavor de estar vivendo ao lado de um maníaco começava a fazê-la acordar , Django, um garoto solitário, que não tinha mais nada a perder depois da morte trágica de seus pais, entrou em sua vida para trazê-la de volta à realidade. Quem sabe, juntos, Django, Madora e seu cachorro Foo consigam vislumbrar alguma cor por trás do vasto deserto que ajudou a apagar suas vidas?

Quando vi o livro entre os lançamentos da Novo Conceito fiquei na dúvida sobre solicitar com receio de que fosse uma história forte demais, mas por outro lado eu gosto de histórias desse tipo e a autora apesar de ser novo por aqui já havia sido muito recomendada. Por isso quando recebi o livro sabia que seria uma história boa, porém o único problema é que o que era uma história ótima foi brutalmente interrompida. A sensação é de estar assistindo a um filme ótimo quando de repente você descobre que não tem fim, que o rolo estragou e só tinha uma cópia dele. Conheçam e entendam.

A sinopse fala bastante da história por isso não vou me prolongar. Madona vive no meio do deserto desde que foi "resgatada" por Willis. Isolada do mundo tudo o que Willis diz é lei. Ela lava, passa, cozinha, arruma a casa e "cuida" de Willis. Na cabeça de Madora, Willis é um homem forte, mas que começa a sofrer com a dureza do mundo e a obrigação dela como mulher é mantê-lo forte sendo compreensiva, dócil e companheira. Ela acredita em tudo o que ele diz. Que seu pai se suicidou porque a mãe dela não era uma boa mulher, compreensiva e tudo o mais. Na cabeça de Madora ele só quer juntar dinheiro para fazer faculdade de Medicina porque é um ótimo homem e só foi mandado embora dos fuzileiros porque armaram contra ele. Mas desde que Linda chegou e é a nova resgatada de Willis as preocupações de Madora aumentaram. Porque Willis não a libera logo? O que está esperando? E quando ela conhece Django, um garoto de doze anos, que acaba de ficar órfão de pai e mãe, e sair de sua luxuosa vida como filho de celebridade para viver com a tia no meio do deserto, é que Madora a temer, sem saber pelo o que, Madora teme e receia. Começa a enxergar as brechas na fachada de bom homem de Willis. E Django no seu luto acaba ajudando Madora irremediavelmente...

É a partir dessa premissa que a história se desenvolve e até muito bem. Campbell possui uma narrativa num tom pessoal que aumenta o lado psicológico da trama, com situações e descrições que ajudam a construir o lado duro da história. O cenário também é bastante marcante na história, funcionando junto com a história para criar um ambiente mais vivo e sombrio. O calor escaldante, os animais predadores do deserto e a vastidão foram elementos complementares muito bons. O ritmo da trama e a mudança sutil dos pontos de vista narrativos ficaram bem colocados, e foi bom ter pequenos flashes de Willis como narrador.

Os personagens também são bons, a autora desenvolveu a personalidade de seus protagonistas muito bem, com nuances que pouco a pouco começam crescer. É uma ótima evolução que mostrava como uma pequena peça pode desencadear qualquer situação quando se vive uma mentira, mas quando estávamos chegando no ápice, que seria a mudança, Madora enxergando o monstro que Willis era simplesmente tudo se amarra e um epílogo. O fim foi muito corrido. Foi injusto com tudo o que a autora apresentou encerrar a história de forma tão abrupta. Sim, temos as respostas, mas Drusilla Campbell desenvolveu tão bem o crescimento dos personagens, o lado psicológico, as tramas e a mudança das intenções, porque jogar tudo para o ar e encerrar de forma rápida a história? Não entendi. O fim de Madora e Django foram bons, mas podia ter sido espetacular, poderia ter sido de tirar o fôlego.

Leitura rápida, com uma premissa instigante e personagens que prendem o leitor desde o começo. Drusilla Campbell tinha uma trama e tanto nas mãos e fez o melhor que pode no espaço que se propôs. Ao se limitar em um número de palavras a autora perdeu a chance de fazer uma história estrondosa que marcaria mais, muito mais. A edição da Novo Conceito está ótima, fonte muito boa e capa perfeita para a trama. Uma história que sem dúvida renderia um ótimo filme se adaptado com mais detalhes. Recomendo a todos que procuram uma história rápida, com um tema forte, mas desenvolvido de um jeito que não vai chocar e que vai ficar com o leitor. Um romance diferente, que poderia ter sido ótimo, mas que ainda assim foi muito bom. Leiam! Até mais!

17 comentários:

  1. Que bom que é um livro de leitura rápida e história cativante, pois isso é sempre muito bons nos livros.

    http://blogliterariopalavrasaovento.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Hum, parece uma excelente opção... Título anotado, adoro livros marcantes!

    Bjs, Isabela.
    www.universodosleitores.com

    ResponderExcluir
  3. Quando a história dá um bom filme, acho que isso significa que o livro deve ser bom. A história parece ser daquelas que nos prende.

    ResponderExcluir
  4. Engraçado, não havia pensado desta forma. Gostei bastante do livro, mas não me toquei que foi muito corrido. De qualquer forma, curti.

    Clara
    @mmundodetinta
    maravilhosomundodetinta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Yasmin, fico feliz em saber que a premissa e boa, pois também o lerei para resenha-lo no blog e estava com medo de não gostar :C

    Beijão,

    Caroline, do criticandoporai.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Esse é um exemplo de livro que eu leria. Não sei o que esses dramas tem para me deixar tão interessada assim, mas seja o que for, funciona e muito bem. Poucas vezes me decepciono e acho que não me decepcionaria com "Adeus à Inocência." Me interesso muito por livros que trazem temas de distúrbios mentais (pessoas psicopatas, sociopatas, autistas, etc) e o que eles podem causar.

    ResponderExcluir
  7. Olá, Yas. Quando vi o livro como lançamento, e li a sinopse, me interessei, realmente. Achei a história forte, e um tom de alerta, um tanto polêmico, mas com delicadeza colocada na história, essa parte do cara que parece ser um maniaco é bem instigante. Parece uma trama simples mas de proposta complexa, e parece que a autora desenrola bem, pena que parece que se atropelou no final, mas acredito que deve ter tido seu encanto. Bjs mil.

    ResponderExcluir
  8. Deve ser um livro tenso, dramático por demais, apesar de gostar de temas como esse, por enquanto estou fugindo de livros assim.

    ResponderExcluir
  9. A personagem vive em enredo cheio de mentiras, isso é legal. Mas não sei se me chamou atenção ao ponto de lê-lo, ainda bem que a leitura seria rápida, porque não acho que eu aguentaria muito...

    ResponderExcluir
  10. Como a Mallu tbm me interesso por livros que trazem distúrbios mentais como tema... e pra falar a verdade to meio cansada desses livros adolescentes onde o maior dilema é saber que roupa usar pra impressionar aquele gatinho (a) que ele (a) jura ser o amor de sua vida mesmo aos 15 anos ¬¬

    ResponderExcluir
  11. É interessante observar que alguns autores se perdem no excesso de detalhes e outros pecam por reduzir esses detalhes, que poderiam dar uma compreensão melhor à história e até um desenvolvimento mais apropriado. É a primeira resenha que leio desse livro e na verdade ainda não tinha parado para prestar muita atenção a ele. Pareceu uma bela história se bem que no momento eu ando fugindo dos dramas.

    ResponderExcluir
  12. Gosto de livros assim também apesar de eles me sufocarem e me deixarem irritada, e queria muito ler, outro dia li uma resenha super negativa e agora com a sua a dúvida voltou, porque você fala sempre que todo livro tem seu lado bom e esse parece ótimo, mas fiquei com medo do fim corrido. Não sei, ótima resenha como sempre, quem sabe leio um dia. Beijo para ti!

    ResponderExcluir
  13. Livros que falam sobre união afim de que se conquiste algo sempre me interessou. O Wills tbm me interessou,adoro personagens que parecem uma coisa mas na realidade é totalmente difetente!

    ResponderExcluir
  14. Tenho muita vontade de ler este livro...
    Gosto de estórias que relatam a fase de adolescência e todo os conflitos que chegam com ela...
    Conflitos, rebeldia e atitudes impensadas...

    Espero gostar... acho que vou mesmo!

    ResponderExcluir
  15. Definitivamente esse livro não faz o meu estilo e eu não tenho nem ideia do porquê. Muito estranho.

    ResponderExcluir
  16. Livros assim me deixa muito angustiada e não gosto muito de ler não, ainda mais que o fim é corrido, se ganhasse leria, mas do contrário, gostei da resenha e tudo, explica muito bem e tá ótima, mas preciso de outros livros para dar chance ao estilo. Beijos!

    ResponderExcluir
  17. Oi adorei sua resenha!.. muito obrigado, me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura e digite reverso...a capa do livro é linda ela traz o universo de fundo..abraços. www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?

    ResponderExcluir

Respeito é bom e eu gosto.
Não use palavras grosseiras, seja educado.
O blog é um lugar amigável, aja de acordo.