26/05/2013

Resenha - As Violetas de Março


Nome: As Violetas de Março
No Original: The Violets Of March
Autor (a): Sarah Jio
Tradutor (a): Ronaldo Luís da Silva
Páginas: 304
Editora: Novo Conceito
Comprar: Submarino - Siciliano - Saraiva - Cultura
Sinopse: Emily Taylor é uma mulher jovem e escritora de sucesso, mas não gosta muito de seu próprio livro. Também tem um casamento que parece ideal, no entanto ele acabará em divórcio. Sentindo que sua vida perdeu o propósito, Emily decide fazer as malas e passar um tempo em Bainbridge — a ilha onde morou quando menina — para tentar se reorganizar. Enquanto busca esquecer o ex-marido e, ao mesmo tempo, arrumar material para um novo — e mais verdadeiro — livro, um antigo colega de escola e o namorado proibido da adolescência tornam-se seus companheiros frequentes. Entretanto, o melhor parceiro de Emily será um diário da década de 1940, encontrado no fundo de uma gaveta. Com o diário em mãos, Emily sentirá o estranhamento e a comoção causados pela leitura de uma biografia misteriosa que envolve antigos habitantes da ilha e que tem muito a ver com sua própria história. Assim como as violetas que desabrocham fora de estação para mostrar que tudo é possível, a vida de Emily Taylor poderá tomar um rumo improvável e cheio de possibilidades.

Desde que soube que a Novo Conceito havia comprado o direito de publicação de vários livros da autora Sarah Jio fiquei animada. Já faz algum tempo que estou gostando cada vez mais de um certo tipo de romance e os livros da autora se encaixam nesse perfil. Romances com tramas que envolvem o passado, segredos e um ambiente diferente. Em seu primeiro romance Sarah Jio explora com destreza e propriedade uma trama de família que surpreende aos poucos se mostrando mais intricada e densa do que se sugere a primeira vista.

Emily está assinando o divórcio. Depois de dez anos a vida de Emily parece estar desaparecendo. Há dez anos ela era uma escritora best-seller e tinha como marido um dos homens mais desejados de Nova York. De lá para cá ela entrou em um bloqueio impossível da qual não consegue sair nem com ajuda da terapeuta. Mas o pior é que nem mesmo o divórcio conseguiu fazê-la chorar. Seguindo a sugestão de sua melhor amiga e em uma estranha sincronia com sua tia-avó Emily arruma as malas e atravessa o país de volta a Bainbridge. Sua ideia é passar o mês de março na ilha, se refazer do divórcio e quem sabe quando voltar escrever um novo livro. Algo que tenha realmente a ver com si própria. Já na primeira semana seu retorno se mostra proveitoso. Emily encontra velhos conhecidos, descobre novas amizades entre elas Henry, o estranho senhor e recluso vizinho que sua tia-avó evita e o Jack, que surpreendentemente ela não conhecia de seus tempos de infância e adolescência na ilha. Porém o que detém a atenção de Emily é o diário que ela encontra escondido na gaveta do quarto onde está hospedada. A história de Esther e de um romance há muito tempo passado. Uma história comovente e trágica que Emily não consegue esquecer. Quem será Esther? E os demais envolvidos? A história realmente aconteceu na ilha sessenta anos atrás? E se aconteceu onde estariam aquelas pessoas? Uma história que vai revelar a Emily muito mais do que seu talento de escritora, mas o próprio passado e os segredos intocados de família que alteraram sua vida.

A premissa é basicamente essa e é surpreendente notar que Sarah Jio consegue nos contar uma história repleta de surpresas, mistérios e complexidade em trezentas páginas. Com uma escrita fluida e uma prosa direta Sarah Jio apresenta uma gama de personagens variados e uma trama que peca em poucos pontos. É uma estreia notável. Numa concisão elegante e precisa a autora desenvolve um ambiente único, com belas descrições que aliada a trama do diário rendeu uma ótima história. Interligando o presente ao passado de forma sutil e inteligente a autora consegue um quebra-cabeça instigante que prende a atenção do leitor e se mostra cheia de surpresas. A forma como a vida de Emily se entrelaça com a história do diário foi acertada e as nuances que dividem as duas épocas e principalmente as duas personagens foram bem marcadas.

Emily é uma personagem boa, que cresce aos olhos do leitor aos poucos e que como escritora se utiliza bem dos recursos que tem para descobrir a verdade sobre o diário e sobre a ilha. Ao se distrair do seu divórcio e dos relacionamentos sua figura ganha força e a história idem. O único ponto que ofusca a estreia de Jio é o tratamento que ela deu aos relacionamentos. Tanto o divórcio de Emily e aquela cena próxima ao final totalmente fora de lugar quanto os dois encontros que ela tem em menos de uma semana da ilha. Pequenas coisas, mas que pode tirar o brilho para os leitores mais exigentes. O final foi satisfatório e encerrou bem ao unir passado e presente. Um tanto triste, mas ainda assim belo e misterioso. Como uma promessa.

Leitura rápida, agradável e de ritmo cadenciado, que instiga o leitor em busca da verdade sobre os personagens e não apenas da solução. Sarah Jio é uma autora que nessa estreia prova que merece atenção. A edição da Novo Conceito está ótima, fonte boa e diagramação muito bonita. Só preferia que tivesse mantido as violetas roxas na capa, apesar da capa escolhida ser boa também. A história renderia um ótimo romance para os cinemas. Recomendado a todos que procuram um romance diferente, que foge da água com açúcar e entremeia elementos de mistério, com segredos, passado e um bom quebra-cabeça. Leiam e se surpreendam! Até mais!

15 comentários:

  1. Estou louca insana por esse livro, adoro mistérios, tramas quebra cabeça, livros que comovam! Estava esperando sua opinião, como sempre levo muito em consideração!

    ResponderExcluir
  2. Quando li uma resenha desse livro pela primeira vez, achei que o livro não ia ser muito interessante devido a capa e o titulo, mas lendo outras resenhas positivas desse livro, comecei a me interessar por ele e agora esta na minha lista de cobiçados, quero muito esse livro, parabens pela resenha e amo livros com romances e tramas que envolvem o passado, segredos, e o kit desse livro, já vi em muitos blog, é muito fofo e acho que tinha que ter um toque de violetas na capa, podia ser lilas a capa, mas mesmo assim é linda..
    :)

    ResponderExcluir
  3. Livro, verdadeiramente uma ótima distração.
    Concordo, de boa leitura final satisfatório, passei um tempo agradável com esse livrinho...
    Abç e
    boa leitura!!

    ResponderExcluir
  4. Livro, verdadeiramente uma boa distração.
    Concordo, de boa leitura final satisfatório, passei um tempo agradável com esse livrinho...
    Abç e
    boa leitura!!

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde! Pesquisando na web acabei me deparando com seu blog - ele está cheio de resenhas interessantes. Como estou informatizando meu sebo, achei que você e os seus leitores poderiam se interessar em conhecer. Tem muito livro bom. Espero que gostem. É o Barcarola, no endereço www. sebobarcarola.blogspot.com.br. Obrigada!

    ResponderExcluir
  6. Esse livro parece bom mesmo. Legal saber que tem uma leitura boa, além de mistério e romance. Eu leria!

    ResponderExcluir
  7. Já ouvi falar bastante desse livro e da autora.
    Estou esperando só juntar um pouco de dinheiro para comprar.
    O romance que ela escreve parece ser diferente, como você falou, estou um pouco enjoada dos romances que estão crescendo tão rápido no mundo literário.
    Não vejo a hora de lê-lo e maie a resenha, beijos!

    ResponderExcluir
  8. Eu não achei muito interessante, mas quem sabe futuramente eu leia.

    ResponderExcluir
  9. Gostei de tudo nesse livro. Achei fofo o cuidado da editora em imprimir florzinhas nas páginas!
    A história me pareceu morna até por volta da página 100. Mas nada que me fizesse perder o interesse, porque a escrita da autora é gostos de ler e a descrição dos lugares me conduziu pra lá... adoro quando isso acontece.
    As personagens são ricas, cada uma com algo que desperta nosso interesse... e os mistérios, ah... não se pode parar a leitura, precisamos descobri-los!
    A história do diário é uma delícia, um 'plus' dentro do livro, pq é um drama dentro de outro.
    E sim, as surpresas são de encher os olhos, no meu caso... de lágrimas!
    Este livro foi um daqueles que acariciam a alma, nos dão esperanças e reflexões sobre como estamos conduzindo nossas vidas.

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Quero muito ler! Gostei que voce falou que a personagem cresce aos olhos do leitor... Gosto de historias nas quais acompanhamos o amadurecimento dos personagens! Torna-se facil se identificar com eles! Otima resenha, flor!

    Um beijo
    escolhasliterarias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Fiquei com vontade ler depois da resenha, mas não faz muito meu estilo. Até gosto de romances, mas eles têm de ser muito bom para me prender. A capa podia ser a original mesmo e como tem intriga e um quebra cabeça de segredos quem sabe leio um dia. Abs!

    ResponderExcluir
  13. Esse livro tem jeito de ser bem bonito, estou doida pra ler também. É legal ler um livro que você se surpreende com o crescimento dos personagens, que chega a um fim bom, deixa aquela sensação de leitura gostosa e acho que esse é um desses livros. Gostei e quero muito ler o meu também!

    ResponderExcluir
  14. A capa desse livro me transmite muita paz e não sei porque. Gosto de olhar para ela. Gostei muito da sinopse e da resenha. Já li outras resenhas e comentários e vejo que todos gostam muito do livro.

    ResponderExcluir

Respeito é bom e eu gosto.
Não use palavras grosseiras, seja educado.
O blog é um lugar amigável, aja de acordo.