07/07/2012

Resenha - O Pacto


Nome: O Pacto
No Original: The Declaration
Autor (a): Gemma Malley
Páginas: 288
Editora: Rocco
Comprar: Submarino - Siciliano - Saraiva - Cultura
Sinopse: Futuro, no ano 2140. A Terra sofre com o superpovoamento. Medicações prolongam indefinidamente a vida das pessoas uma ameaça ao equilíbrio do planeta. Em meio a este cenário, uma declaração, o Pacto, proíbe a população de ter filhos, um ato eivado de egoísmo. Os pais de Anna desrespeitaram esta regra e, agora, ela é um fardo para a sociedade, um “Excedente”. E, como tal, precisa compensar o erro de seus progenitores. Para ser um “Ativo Valioso” à sociedade, útil pelo menos – “o menos pior dos males” –, Anna é levada à Grange Hall, “lar” desse tipo de gente indesejada, onde todos são gratos por suas vagas. Uma aparente bênção e salvação para quem não deveria nem existir. Toda essa estrutura assim prosseguiria se um novo interno, Peter, não tivesse chegado a Grange Hall. Logo Anna se verá questionando tudo o que sempre acreditou com toda fé.

Desde que descobri esse livro fiquei apaixonada pela capa e curiosíssima pela história, mas no mesmo dia que o descobri fiquei desanimada com o preço. Além disso, na época estava difícil de encontrar disponível. Passaram meses até que encontrei na minha loja favorita por apenas 23 reais. Não pude acreditar e comprei. "O Pacto" é o primeiro livro de uma trilogia distópica da autora Gemma Malley, conta uma história muito boa e diferente. Publicado antes dessa febre de distópicos a trama é simples e complexa ao mesmo tempo.

O Pacto nada mais é do que um compromisso assinado pela população. Desde que drogas para prolongar a vida foram descobertas a Terra começou a sofrer com os efeitos do superpovoamento. A natureza não estava dando conta e o planeta vinha definhando. Como medida as Autoridades criaram o Pacto. A partir dele nenhuma criança nasceria, era estritamente proibido ter filhos. Quem não assinasse o Pacto não teria acesso às drogas de longevidade, morreriam, mas poderiam ter filhos. Os poucos que faziam isso eram vistos com desconfiança pelos demais. Afinal quem deixaria de viver para sempre só para ter um filho? Alguns desrespeitavam sem querer o Pacto e largavam os bebês indesejados na porta de Grange Hall para não serem presos. Outros tentavam criar seus filhos escondidos, queriam aquelas crianças. Lá eles eram chamados de Excedentes, treinados para se tornarem Ativos Valiosos, empregados dos Legais.

Anna é uma Excedente. Uma criança que não deveria existir. Seus pais desrespeitaram o Pacto e desde muito cedo ela paga o preço. Capturada pelas Autoridades e levada a Grange Hall com apenas dois anos Anna cresceu para se tornar um Ativo Valioso. Em Grange Hall todos estavam sob o jugo da Sra. Pincent, a diretora do local. Lá eles são espancados, esbofeteados, despidos de qualquer amor-próprio e amor aos pais. Um "Excedente" não tem direito a pensar, não tem direito a querer, não tem direito de existir. Não tem acesso a droga da longevidade e são criados para servir. Anna é o modelo perfeito de Excedente. É como o animal de estimação preferido de Sra. Pincent. Ela acredita que é um erro, que os pais dela são criminosos irresponsáveis e que se gostassem dela nunca a teriam tido. Tudo que ela quer é ser o melhor Ativo Valioso que existe. Invisível aos patrões até a hora da morte. Faltava pouco para sair de Grange Hall e ser encaminhada a uma casa de família quando um Excedente chegou. Peter é o mais velho que Anna já viu chegar e como uma das moradoras mais antigas do lugar ela sabe. Ele tem a idade dela e tem cheiro de problema.

A partir dessa premissa é que a trama se desenvolve. Anna é uma personagem boa. Na maioria das vezes tive pena dela. Não só dela como de todas as outras crianças e adolescentes do lugar. O mundo criado é cruel. Os abusos que aquelas crianças passam são absurdos e tudo em "nome do bem maior". O preço para se viver para sempre é alto demais e o ser humano egoísta que só não percebe o absurdo que é criar suas crianças como meros animais, adestrados para servir calado a qualquer desejo dos Legais. A ideia de apresentar esse mundo através dos olhos de Anna foi bem interessante. Alternando em primeira e terceira pessoa a história evolui e apesar do desfecho ser deduzível a trama tem algumas viradas inesperadas muito surpreendentes.

Peter é um personagem que poderia ter sido mais aprofundado. Eu achei que ele poderia ter sido mais sutil ao tentar abrir os olhos de Anna visto que ela passou por uma longa lavagem cerebral e não seria tão fácil de convencer. Uma coisa que me incomodou foi o quão rápido a história se desenvolve. Eu esperava um pouco mais de conflito no final quando Anna saiu para o mundo exterior. Não foi irreal a reação dela, mas foi rápido. A personagem mais surpreendente foi Sra. Pincent. Todo o comportamento dela ao longo do livro foi explicado pela virada do final. Foi muito inesperado e estou muito ansiosa pelos próximos volumes. Com essa virada acredito que Peter vai ganhar mais atenção na trama. O final foi cheio de surpresas, muito mais do que esperava e todas bem amarradas.

Leitura rápida, o ritmo da narrativa é fluido e as descrições na medida. O futuro distópico criado por Gemma Malley é criativo e tem muitas possibilidades a serem exploradas. É um mundo crível e de detalhes que fazem toda a diferença na hora do leitor construir o cenário. A edição da Rocco está perfeita, fonte agradável de ler e a capa do livro é um charme. Das três opções internacionais a editora escolheu uma ótima. Acredito que um dia o livro possa virar filme, ainda mais agora com essa onda distópica. Daria um filme interessante, mas não encontrei informações sobre uma possível adaptação. É uma leitura recomendadíssima para quem gosta de distopia. É inteligente, criativa sem ser absurda, faz críticas sutis a nossa sociedade e consegue manter uma trama com surpresas. Também recomendo para quem ainda não leu nenhuma distopia. São 288 páginas rápidas de ler e você vai querer ler mais. Os próximos volumes ainda deve ter bastante mistério, suspense e um pouco de romance. Leiam! Até mais!

Trilogia The Declaration - Gemma Malley
1- O Pacto
2- The Resistance
3- The Legacy

18 comentários:

  1. Amei a resenha! Estava atrás de um distopia mesmo e agora já sei qual comprar! Nossa você fou bem sincera ali no "animal de estimação". Curiosa demais! Adoro conhecer esses futuros que os autores imaginam. Pelo que vi o livro está barato! Vou comprar logo antes que aumenta porque Rocco vive aumentando de repente. Haha.
    Ótima resenha! Mais um livro que quase não vejo por ai e vi aqui.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Ainda não li nenhum livro de distopia, e esse pareceu ser bem interessante para começar a ler livros do gênero. Gostei muito da sua resenha, como sempre muito bem escrita e explicada. Achei o enredo do livro bem interessante, fiquei com vontade de ler. A capa também é muito doida.

    http://entrepaginasdelivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Que legal, gostaria de ler esse livro! Parece ser interessante.
    maravilhosomundodetinta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Parece ótimo. De distopia só li os dois primeiros de Jogos Vorazes. Pelo que vi o tema é bem diferente, absurdo um mundo onde é proibido ter filho para se viver para sempre. Estranho demais. Muito boa resenha como sempre. :)

    ResponderExcluir
  5. A parte do superpovoamento não parece estar tão no futuro assim haha Não lembro de ter lido nenhuma distopia, provavelmente não li, por isso não me lembro. Mas a estória me agradou, o preço dele está um preço até "em conta". Gostaria de conferir, ainda mais que a obra fas críticas sutis a nossa sociendade.

    ResponderExcluir
  6. Adorei a resenha! Preciso mesmo ler mais distopias... a única que li até hoje foi a trilogia Jogos Vorazes.
    Muito interessante a história, um caminho bem possível para a humanidade.
    Espero poder ler o livro em breve.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Adorei a resenha! Preciso mesmo ler mais distopias. A única que li até hoje foi a trilogia Jogos Vorazes.

    Muito interessante a história e um caminho bem possível para a humanidade. Espero poder ler esse livro em breve.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Nunca havia ouvido falar desse livro, tambem não lembro de nenhuma distopia que tenha lido, apesar de que talvez até tenha lido mesmo, mas a descrição de distopia é nova, pelo menos para mim. De qualquer forma gostaria muito de ler, mas estou evitando novas series no momento. Mas com certeza é uma otima dica. bjkss

    ResponderExcluir
  9. ^Gostei da história, e a capa é linda... Tô precisando de um livro assim, deu vontade de ler. QUando esiver em promo denovo na loja que você compra, por favor, me avisa, nao da pra comprar Rocco no preço normal.

    ResponderExcluir
  10. Dev se rum ótimo livro. Gostei da resenha, parabéns.
    Essa capa é linda.

    ResponderExcluir
  11. Uau. Gostei bastante da sinopse, deve ser bem legal, heinn??

    :)
    Bjs, laila.

    ResponderExcluir
  12. Nunca tinha ouvido falar desse livro... A sinopse me deixou bastante interessada e a sua resenha mais ainda! Estou adorando esse gênero, mas em alguns casos estão surgindo algumas coisas meio viajantes demais e achei legal o fato de essa história ser 'crível' como vc disse. Já vivemos mais do que há algumas décadas, e superpopulação é um tema bem atual assim como o controle de natalidade...
    Já tem alguma previsão de lançarem os próximos?

    ResponderExcluir
  13. Preciso ler mais distopias. Muito mais. Esse seria um bom começo, ainda mais que to pendurando Admirável Mundo Novo, que eu preciso ler também. Mas me interessei bastante pelo livro, e a capa ficou linda!

    ResponderExcluir
  14. Como eu acredito já ter dito em algum outro comentário do blog, estou meio saturada de distopias, mesmo tendo lido apenas a trilogia de Hunger Games e 1984. Só que esse livro, diferente de várias outras distopias que estão saindo por aí, me chamou a atenção e acho que justamente por ter sido publicado antes de toda a febre. Apesar de ter gostado muito da premissa do livro e da sua resenha, acho que dificilmente terei a oportunidade de lê-lo, o que é uma pena haha De qualquer forma, parabéns pela resenha, está ótima!

    ResponderExcluir
  15. Adoro conhecer novas distopias porque hoje em dia todo mundo só fala de Jogos Vorazes, Jogos Vorazes e Jogos Vorazes que já estou me cansando. A capa é linda e sua resenha está ótima! Nem conhecia, mas acabou de entrar na lista de favoritos urgentes junto com Divergente!

    ResponderExcluir
  16. Esse deu vontade de ler, viu! Legal ver uma distopia pré-onda de distopias. E com essa capa, então!

    ResponderExcluir
  17. Tbm desconhecia essa trilogia distópica, e gostei da trama.
    Fiquei angustiada só pela resenha retratando os abusos que as crianças sofrem, imagina quando eu ler.. me envolvo demais, capaz ate de eu chorar ainda. :)

    ResponderExcluir
  18. Eu amo esse livro, de coração! Foi um dos primeiros livros que li e me incentivaram a adotar o hábito da leitura! Lembro que na época adorei aquela história criativa, no futuro, ainda não sabia que se chamava distopia, li em poucas horas! Podiam lançar a continuação!

    Garota das letras - http://garotadasletras.blogspot.com

    ResponderExcluir

Respeito é bom e eu gosto.
Não use palavras grosseiras, seja educado.
O blog é um lugar amigável, aja de acordo.