14/05/2012

Resenha - Admirável Mundo Novo


Nome: Admirável Mundo Novo
No Original: Brave New World
Autor (a): Aldous Huxley
Páginas: 398
Editora: Globo
Comprar: Siciliano - Saraiva - Cultura - Fnac
Sinopse: Ano 634 D.F., depois de Ford. O Estado científico totalitário zela por todos. Nascidos de proveta, os seres humanos, pré-condicionados, têm comportamentos, pré-estabelecidos, e ocupam lugares, pré-determinados, na sociedade: os alfa no topo da pirâmide, os ípsilons na base. A droga soma é universalmente distribuída em doses convenientes para os usuários. Família, monogamia, privacidade e pensamento criativo constituem crime. Os conceitos de pai e mãe são meramente históricos. Relacionamentos emocionais intensos ou prolongados são proibidos e considerados anormais. A promiscuidade é moralmente obrigatória e a higiene, um valor supremo. Não existe paixão nem religião. Mas Bernard Marx tem uma infelicidade doentia: acalentando um desejo não natural por solidão, não vendo mais graça nos prazeres infinitos da promiscuidade compulsória, Bernard quer se libertar. Uma visita a um dos poucos remanescentes da Reserva Selvagem, onde a vida antiga, imperfeita, subsiste, pode ser um caminho para curá-lo. Extraordinariamente profético, Admirável mundo novo é um dos livros mais influentes do século 20.

Faz muito desde que li "Admirável Mundo Novo" pela primeira vez, estava na escola e toda semana pegávamos um livro para ler e toda sexta respondíamos um questionário onde avaliávamos o livro. Não lembro muito da leitura, mas lembro de que gostei muito do livro. Ao lado de 1984 o livro de Aldous Huxley é um dos mais importantes livros do gênero e junto com 1984 inaugurou a antiutopia, ou como chamamos hoje a "distopia". Apesar disso acredito que esses dois livros se encaixem em um lugar diferente. É mais do que uma distopia. “Admirável Mundo Novo” funciona melhor como um ensaio sobre o futuro, sobre os rumos da sociedade e do ser humano.

O ano é 2540 D.C ou 634 D.F, depois de Ford e a sociedade é condicionada. Não existem pais e nem mães. Todas as pessoas nascem em uma espécie de linha de produção. São divididas em castas. As castas mais baixas são deformadas quando ainda embriões e passam todos os meses antes do nascimento recebendo químicos que os farão menores, menos inteligentes e em algumas castas até deformados. Quando nascem passam por um longo período de aprendizagem onde aprendem a gostar só ao que sua casta permite, toda noite ouvem milhares de vezes os mesmos conceitos. E assim se formou a sociedade. Os mais pobres e que trabalham pesados não reclamam, não se rebelam. Amam a vida ordinária que tem, foram condicionados a aceitar, não conhecem outra coisa e se portam exatamente do jeito que a sociedade quer. Lá você pode incutir em um simples bebê medos, traumas, desejos e tudo mais. Conceitos que o farão uma pessoa. Mais isso e eles odiarão luxo, flores, um pouco daquilo e eles não suportarão lugares abertos. Não existem mais casamentos, as pessoas praticam sua sexualidade livre e para qualquer problema há solução.

É nesse panorama que conhecemos Bernard, um alfa que trabalha nesse sistema de produção de embriões, mas que é diferente dos outros alfas. Mas baixo e sempre insatisfeito Bernard não suporta algumas regras dessa sociedade. Por onde ele passa aguenta os cochichos dos outros Alfas que dizem que ele é estranho porque recebeu álcool no oitavo mês prejudicando a perfeição características dos Alfas. Durante uma viagem ao Novo México e a MalPaís em companhia de Lenina, Bernard conhece Linda e seu filho John. Ela era uma beta quando se perdeu de seu companheiro e foi acolhida pela tribo. Como uma pessoa condicionada Linda nunca foi aceita na tribo e seu filho muito menos. Bernard os leva de volta a sociedade almejando ser aceito por sua descoberta. John, mais conhecido como Mr. Selvagem sonha com a sociedade que Linda tanto falou, mas nenhum dos dois é aceito. Os conflitos entre a sociedade, o que chamam de civilizado e John são inevitáveis.

Aldous Huxley construiu um universo único e bobo é aquele que lê o livro sem construir paralelos com a nossa sociedade. De certa forma já fomos padronizados, divididos em classes sociais e dia após dia somos induzidos a vários comportamentos. Somos meros enlatados, consumistas, preconceituosos e alienados. Muitos falam da genialidade de Huxley, mas como cientista e filósofo o que ele descreve em seu livro é um detalhado exercício de pensamento. Observando o seu tempo foi capaz de enxergar padrões que poderiam levar a situações descritas no livro. Vai dizer que não estamos cada vez mais iguais? Observe que quanto mais as pessoas querem ser diferentes, mas se igualam. Compram as mesmas roupas, ouvem as mesmas músicas, leem os mesmos livros e agem da mesma maneira. Só porque passa X na televisão em poucos meses todo o comércio vai estar abarrotado de X e a maioria das pessoas vão usar X. Várias pesquisas indicam que os telespectadores absorvem até comportamentos transmitidos pela TV. Ou seja, estão condicionando o mundo e ninguém nem percebe.

O autor que veio de uma família de cientistas narrou com destreza diversos processos científicos possíveis e se aprofundou em avaliar os benefícios de uma sociedade metódica, onde cada um age de acordo com o que ditam. As diferenças entre John e "o admirável mundo novo" que ele sonhou a vida inteira em MalPaís se mostram intransponíveis. As incertezas, as dores e os questionamentos do Mr. Selvagem não tem lugar na sociedade ideal. Um mundo ideal, cada um feliz com sua posição, nunca almejando ou sofrendo pelo que não tem.

Um dos pensamentos que tive logo após concluir a leitura é que afinal "ignorância é uma benção". Melhor viver na ignorância achando tudo lindo e perfeito do que acordar para a realidade. Melhor viver achando que possui liberdade e vontade própria do que assumir que isso é mero ponto de vista. Inconscientemente estamos caminhando a passos largos para um "admirável mundo novo". Recomendadíssimo. É leitura obrigatória para qualquer um que concordar com pelo menos a metade do que eu disse. O ínicio da narração pode soar complicado e cansativo, mas prestem atenção aos detalhes daquele começo e você não vai perceber o passar das páginas. A edição da editora Globo é muito boa e possuí um prefácio interessante do próprio autor. Leiam! Até mais!

32 comentários:

  1. Sempre tive curiosidade a respeito desse livro, mas achava que seria uma leitura omplicada, e eu não conseguiria ler. Apesar de não ser o genero que eu prefiro ler, acho que temos que ler de tudo um pouo, e esse pode ser a exceção que eu tô procurando.

    ResponderExcluir
  2. Eu tenho esse livro na minha lista de leitura. Meu pai me recomendou e eu estou com bastante vontade de ler. Gostei bastante da resenha, na verdade, adoro as tuas resenhas, vou ver se comento mais por aqui!

    Gabi

    ResponderExcluir
  3. Já ouvi falar desse livro a algum tempo, mas agora que a minha irmã tá pensando em comprar, eu meio que fiquei com vontade de ler, e com ESSA resenha, não vejo a hora de abrir o livro. Mas ainda não estou acostumado com o tema, então vou ler outros parecido só que mais leves primeiro.

    ResponderExcluir
  4. Eu já li esse livro e preciso relê-lo assim como preciso adquirir 1984 a qual já tinha lido a sinopse. Adorei a sua resenha e me fez querer reler logo esse livro.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Confesso que ainda não li nada desse autor, mas já li sobre ele e sobre esse livro, muito aclamado, inclusive.
    É um dos livros que eu quero ler, só não sei quando terei tempo. Tenho muita coisa pra ler na minha estante, mas com certeza, assim que a minha fila de livros diminuir, esse é um dos livros que adquirirei.

    Ótima resenha, Yasmin.
    Beijo!

    Gostei da sua resenha, Andresa, mas acho que este não é o tipo de livro pelo qual me interessaria.
    Sabe quando a sinopse não atrai você? Pronto, não me atraiu.
    Mas, enfim, cada um com seu gosto. Que bom que pra você foi uma leitura agradável.

    Beijo!

    Sacudindo Palavras

    ResponderExcluir
  6. Li esse livro a pouco e concordo com tudo que vc escreveu.
    Parabéns pelo ótimo texto =)

    ResponderExcluir
  7. Estava em duvida sobre esse livro. Ainda não tinha lido nenhuma resenha. Pela sua resenha, deve ser um livro bom mesmo.
    Até mais!

    ResponderExcluir
  8. Não tinha ouvido falar desse livro, mas adorei a resenha. O livro vai pra minha wishlist, espero lê-lo logo (:

    ResponderExcluir
  9. Esse é um dos livros que já comentamos no clube do livro, e a galera comentou que apesar dele ter pontos parecidos com 1984 eles eram livros diferentes. Já li 1984 e pela sua resenha percebi algumas diferenças em como as obras são conduzidas, mas me parece que a conclusão é a mesma: "ignorância é uma benção".

    ResponderExcluir
  10. Eu já li, é incrível, não tem como não gostar... sua resenha ficou ótima! Huxley foi um visionário, com certeza!

    abraços,
    Luciana

    ResponderExcluir
  11. Ótima resenha! To precisando ler mais clássicos e muito! Agora eu fico boba quando você fala que lia livros assim na escola! Ainda mais com 10 anos, 12 anos. Sério mesmo? Onde você estudava? Shakespeare, Aldous Huxley, Homero? Mais o que? Hahaha. Adorei sua resenha e me interessei por esse método de produção e condicionamento, bem interessante. Concordo com tudo o que falou da nossa sociedade. Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Esse e 1984 são clássicos que quero muito ler. A Revolução dos Bichos tb. Principalmente por serem, como vc disse, os primeiros livros do gênero, q eu gosto muito.
    Bom, sobre a resenha, achei mto boa, não tinha exatamente noção da história em si, e concordo com o q vc disse sobre a nossa sociedade.
    Pena q só tem essa edição atualmente a venda, vamos combinar q essa capa é bem feiosa... mesmo sendo de bolso, as capas da Bestbolso e L&PM Pocket são bem melhores.

    ResponderExcluir
  13. Desde que li 1984 que estou com muita vontade de ler Admirável Mundo Novo. Eu não sabia o quão interessante esses livros distópicos eram e acabei descobrindo com o Orwell. Achei uma versão do livro na biblioteca da escola e assim que abrir uma brecha, eu quero lê-lo, até porque sou bem por fora dos clássicos e preciso mudar isso!

    ResponderExcluir
  14. Nossa eu achei que tinha lido este livro, mas foi engano!!
    O tema me parece muito bom, com toda certeza se eu o ahar numa biblioteca ou alguem tiver pra emprestar vou ler!

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. nossa ta mó caos heim, não é meu genero preferido mais provavelmente eu leria, só por causa da resenha

    ResponderExcluir
  17. Cássia Oliveira18 de maio de 2012 01:03

    Nossa, sem palavras sobre o quanto quero ler esse livro! Junto com 1984, aliás um ótimo livro, é um dos clássicos da literatura distópica!

    ResponderExcluir
  18. Estou muito por fora dos clássicos mesmo.. Eu nunca ouvi falar desse livro, não que eu me lembre! =/ ... Mais depois dessa resenha eu fiquei muito curioso para lê-lo. Confesso que depois do Desafio dos Clássicos eu comecei a me interessar muito em clássicos, e acho que isso é muito bom para mim. Por isso agradeço o blog por melhorar as minhas leituras! =)

    http://libraryinhouse.blogspot.com.br/

    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Esse livro é leitura obrigatória, mas não consigo encontrar de jeito nenhuuuum em lugar nenhum. Vou acabar baixando pra ler no computador mesmo. Se amei 1984, certamente vou amar esse.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Admirável Mundo Novo é fácil de se encontrar em sebos!

      abraços,
      Luciana

      Excluir
    2. Vanessa essa edição da Globo está disponível de novo em vários lugares. No Submarino outro dia estava 17 reias. Na Saraiva e na Cultura também tinha. Procura no Buscapé que você acha e ainda gnha desconto.

      Excluir
  20. Mas esse livro é realmente perfeito, você falou tudo na resenha, eu fiquei assustada de verdade, tipo é um choque de realidade pra quem ler.

    ResponderExcluir
  21. Eu li esse livro na escola e confesso que não me lembrava muito da história; mas lembro que tinha gostado.
    É triste pensar que estamos caminhando para um "admirável mundo novo".
    Beijo

    ResponderExcluir
  22. Excelente livro, dos meus prediletos, e fonte de inspiração para meus romances futuristas. Legal ver resenha de clássicos... Gostei bastante da resenha.

    ResponderExcluir
  23. Oi..

    Gostei muito da sua resenha como sempre, mas tenho que ser sincera eu não gostei do enredo do livro, e a capa eles podiam ter caprichado um pouquinho mais, não é?

    ResponderExcluir
  24. Sempre achei que ignorância de vez em quando é uma tremenda benção...hehehe E eis o pai das ditopias! Um dia lerei...

    ResponderExcluir
  25. Nunca li Admirável Mundo Novo e sempre me assusto, com medo de ser difícil e pesado demais para ler. Gostei da sua resenha, desmistificou o livro para mim e eu decidi que vou "encarar" o desafio e ler.

    Também concordo, as vezes, que ignorância é uma benção...As vezes seria infinitamente mais fácil...

    Thais Vianna
    @dathais

    ResponderExcluir
  26. Acredito que esse livro, entre todas as distopias, é o que mais conseguimos identificar como será o futuro. Toda promiscuidade que assombra hj o nosso tempo. Não demora muito, creio eu, pra chegar a algo assim. Dentre todos os livros, esse futuro, é que esta mais provável de acontecer

    ResponderExcluir
  27. Valeu, muito bom.

    Ouvi sempre, enquanto perambulava faminto pelas ruas do subúrbio do Rio lá pelos idos de 1980, Zé Ramalho com sua música tocava forte em mim. Eita tempo dificil.. na rua , sem comida, sem roupa , sem família , sem trabalho. Ee acreditava mesmo que o sistema me condicionava àquilo. Hoje tudo passou, graças a Deus.



    ResponderExcluir
  28. Gostei muito,

    Eu sou escritor e seria muito bom se você criticasse pra mim. Escrevi num tema um tanto restrito, mas que, de certa forma, prega essa liberdade.

    É um tema restrito, porém atualíssimo " Fazendo igreja daqui pra frente", o trabalho foi aprovado por tres criteriosoas editoras e lançada pela Multifoco, por questões de orçamento de minha parte.

    Se for de seu interesse, terei o prazer de enviar um exemplar. É um livro de poucas pag. que dá pra ler entre um café e outro. Traz um prefácio do Dr. Timóteo Carriker que trabalha num projeto junto à SBB.

    Desculpe minha exposição aqui, mas não é pelo interesse comercial não, mas por amor ao trabalho que fiz e pelo siginifcado que tem em minha vida. Neste trabalho busco analisar, criticar e contribuir com aqueles que acreditam na mensagem do evangelho pura e simples.

    Um grande abraço e grato pelo espaço servido,
    Sergio Sena.

    sergiodasilvasena@hotmail.com ( em relação ao meu email, fique á vontade em publicá-lo ou não, aquiesço)



    ResponderExcluir
  29. Adoro histórias futuristas. Acho que vou gostar do livro que até então não conhecia. Também achei que já tinha lido esse livro, ou então foi algum outro com o mesmo título, mas depois me lembrei que foi um filme que assisti.

    ResponderExcluir
  30. Parece-me uma excelente leitura. Este livro tem uma linguagem rebuscada?

    ResponderExcluir

Respeito é bom e eu gosto.
Não use palavras grosseiras, seja educado.
O blog é um lugar amigável, aja de acordo.